Está aqui :

Está aqui

menu

Noticias UP

Subscribe to feed Noticias UP
Portal de Notícias da Universidade do Porto
Actualizado: há 2 horas 11 minutos atrás

Situação económica de Portugal em exame na Faculdade de Economia

10 horas 47 minutos atrás

Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP) acolhe na próxima quarta-feira, 29 de março, pelas 14h30, uma sessão de apresentação do Country Report de Portugal elaborado pela Comissão Europeia.

O Country Report é um documento elaborado no âmbito do Semestre Europeu, que inclui uma abordagem aprofundada da situação económica do país e do progresso registado no domínio das reformas estruturais e da prevenção e correção dos desequilíbrios macroeconómicos. São analisados, em particular, domínios como as finanças públicas e tributação, setor financeiro e endividamento, políticas para o mercado de trabalho, política de educação e políticas sociais, investimento, políticas setoriais e setor público.

A apresentação do trabalho será feita pela conselheira da Representação em Portugal da União Europeia, Catarina Dantas-Machado. Álvaro Aguiar, professor da FEP, moderará a sessão.

À apresentação seguir-se-á de um debate, com possibilidade de as questões suscitadas virem a contribuir para o trabalho de preparação das recomendações específicas dirigidas a Portugal (a publicar em maio).

A entrada é livre, mas sujeita a inscrição prévia aqui.

Tunas Femininas da U.Porto invadem Seminário de Vilar

12 horas 47 minutos atrás

O espetáculo está marcado para o dia 1 de abril, às 20h30, no Seminário de Vilar (foto: TUNAFE)

A Tuna Feminina da Faculdade de Engenharia da Univerisade do Porto (FEUP) promove, no próximo dia 1 de abril, às 20h30, a 15.ª edição do Festival de Tunas Femininas ‘Tudo Isto é Tuna’, um evento que envolve cerca de 300 elementos das mais variadas faculdades da U.Porto e que promete uma noite de muita música e diversão.

A realizar-se no Seminário de Vilar, em pleno coração da cidade do Porto, o evento não descura o seu lado solidário apoiando a associação Raríssimasque se dedica ao apoio a doenças raras em Portugal.

Do cartaz consta a participação de quatro Tunas que estarão também a concurso para eleição da melhor atuação: Legislatuna – Tuna Feminina de Direito da Universidade do Porto; Sirigaitas – Tuna Feminina de Farmácia da Universidade do Porto; TeSuna – Tuna Feminina da Escola Superior de Saúde do Porto e TUFEMED – Tuna Feminina de Medicina da Universidade do Porto. Extra concurso, o evento conta ainda com a participação especial da TEUP – Tuna de Engenharia da Universidade do Porto e da TUNAFE – Tuna Feminina de Engenharia da Universidade do Porto.

O evento é aberto a toda a comunidade. Os bilhetes vão estar à venda no corredor B da FEUP na semana que antecede o festival (de 27 a 31 de março) e têm um custo de 3 euros para estudantes e de 5 euros para público geral.

Mais informações disponíveis na página de Facebook do evento.

Estudantes da FMUP levam saúde às ruas do Porto

13 horas 17 minutos atrás

A Semana da Saúde e do Bem-Estar tem como objetivo promover o contacto entre os estudantes de Medicina e a população. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Se 27 a 31 de março, cerca de 200 estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) vão sair das salas de aula da faculdade para levar saúde à população do Porto. É esse o ponto de partida para mais uma edição da Semana da Saúde e do Bem-Estar, uma iniciativa da Associação de Estudantes da FMUP (AEFMUP) que tem como objetivo promover a saúde e a qualidade de vida junto da população do Porto, através da realização de rastreios cardiovasculares à população, com avaliação da glicemia e pressão arterial.

Realizada desde 2012, esta iniciativa da AEFMUP, em colaboração com o Centro Hospitalar de São João e a Câmara Municipal do Porto, pretende alertar a população para a importância do controlo da Pressão Arterial e Glicemia Capilar, assim como informar sobre estilos de vida saudável e cuidados preventivos.

De forma mais ampla, esta ação de proximidade propõe-se contribuir para uma sociedade mais capacitada e consciente dos riscos de doenças cardiovasculares, bem como alertar para a necessidade de uma vigilância cuidada daqueles parâmetros.

Este ano, a Semana da Saúde e Bem-Estar decorre entre os dias 27 a 29 de março, no Centro Hospitalar de São João. Nos dias 30 e 31 será a vez da Praça Gomes Teixeira (aos Leões), junto ao edifício da Reitoria da U.Porto.

Esta edição contará com a colaboração de cerca de 200 estudantes, prevendo-se a participação de 1000 pessoas.

Rui Filipe Freitas Sexteto apresenta “Axis Mundi” na FEUP

14 horas 2 minutos atrás

O auditório da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) vai receber esta segunda-feira, 27 de março, pelas 21h30, o concerto de lançamento do CD “Axis Mundi”, álbum de estreia do sexteto liderado pelo vibrafonista Rui Filipe Freitas.

Composto por sete temas, dos quais seis são composições originais de Rui Filipe Freitas, “Axis Mundi” surge como pretexto para uma jornada jazzística feita de sobriedade e êxtase, e que tem como fim último a partilha do imaginário musical destes músicos.

Para além de Rui Filipe Freitas (vibrafone, composição e arranjos), subirão também ao palco da FEUP José Pedro Coelho (saxofone tenor e clarinete-baixo), João Mortágua (saxofone alto e saxofone soprano), Mané Fernandes (guitarra), Filipe Teixeira (contrabaixo) e João Martins (bateria).

O espetáculo integra-se no Ciclo “FEUP lança Porta-Jazz” 2017, promovido pelo Comissariado Cultural da FEUP em parceria com a Associação Porta-Jazz.

O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala) mediante levantamento de bilhete no Infodesk/FEUP (segunda a sexta, das 9h30 às 13h e das 14h às 17h30), ou na bilheteira do Auditório da FEUP, no dia do espetáculo.

Mais informações através do e-mail ccultur@fe.up.pt.

“Semana: Profissão Engenheiro” regressa com edição recordista

Sáb, 25/03/2017 - 12:00

(Foto: Rodolfo Rodrigues)

Nos dias 27, 28 e 29 de março, todos os caminhos vão dar à Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP) para os alunos do ensino secundário que pretendam contactar com a sua área de engenharia preferida. O pretexto será a maior edição de sempre da “Semana: Profissão Engenheiro” (SPE), evento que este ano vai receber cerca de 1800 participantes dispostos a conhecer de perto os laboratórios e projetos e a multidisciplinaridade da engenharia.

Ao todo são 68 as atividades distribuídas por 24 percursos que encabeçam cinco profissões da área da engenharia: “Salvo o Planeta”, “Desenho o novo Homem”, “Crio a Sociedade do Futuro”, “Torno as empresas mais competitivas” e “Construo um Mundo novo”. Tudo isto numa edição que conta também com nove percursos monotemáticos, especificamente direcionados para os alunos do 12º ano que tenham já uma ideia bem definida sobre a área de engenharia que pretendem seguir.

A pensar nos pais e encarregados de educação, esta edição da SPE volta a incluir a sessão “Damos asas ao Talento!”, especialmente procurada pelos pais com dúvidas relativamente ao percurso académico e plano curricular dos diferentes cursos de engenharia da FEUP. Está prevista uma sessão para cada dia de iniciativa, a decorrer entre 18h30 e as 19h30, com a presença de docentes da FEUP que vão estar disponíveis para o esclarecimento de dúvidas, promovendo uma tomada de decisão mais informada e consciente da parte do aluno relativamente ao seu futuro profissional.

A “Semana Profissão: Engenheiro” é uma oportunidade única para os alunos do ensino secundário conhecerem de perto a oferta formativa da FEUP. As atividades e percursos são desenhados pormenorizadamente de forma a materializar a importância das diferentes engenharias no nosso dia-a-dia e a dar a conhecer o significado da profissão “Engenheiro” e o seu papel na proteção do planeta, no aperfeiçoamento da humanidade e sociedade do futuro, na competitividade das empresas e na construção de um Mundo melhor.

Mais informações em fe.up.pt/profissaoengenheiro

ISPUP associa crise ao aumento de recém-nascidos com baixo peso

Sáb, 25/03/2017 - 10:30

Um estudo assinado por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) associou a crise financeira de 2007-2008 ao aumento do número de bebés que nasceram com baixo peso em Portugal (menos de 2,5 quilos). Os recém-nascidos de mães imigrantes estão entre os mais afetados, conclui a investigação publicada na revista “BMJ Global Health”.

Existem vários estudos sobre os efeitos das crises económicas, mas nunca nenhum tinha avaliado o impacto sobre o baixo peso dos bebés. Com efeito, as crianças que nascem com menos de 2,5 quilos têm uma desvantagem significativa na sua saúde futura, com maior probabilidade de desenvolverem doenças crónicas ao longo da vida.

Por esse motivo, investigadores do ISPUP avaliaram dados oficiais de dois milhões de nascimentos registados em Portugal, entre 1995 e 2014, concluindo que a crise fez aumentar o número de bebés que nascem abaixo do peso.

Há vários anos que Portugal tem registado um aumento do número de crianças que nascem com pouco peso, devido ao adiamento da maternidade e ao consumo do tabaco durante a gravidez, por exemplo.

Contudo, os dados mostram que essa tendência foi acelerada nos anos posteriores à crise financeira e de forma muita mais acentuada nas mães imigrantes, que são, sublinhe-se, responsáveis por cerca de 10% dos bebés nascidos em território nacional.

Entre 2006 e 2014, houve uma subida do número de nascimentos com baixo peso em Portugal (de 6% para 7%), mas esta tendência já vinha de anos anteriores à crise de 2007-2008. No entanto, nas mulheres imigrantes, o aumento é mais notório (1,5 pontos percentuais), porque na década anterior a tendência era de descida.

Assim sendo, é importante que “o governo reforce as políticas sociais para as grávidas estrangeiras, trabalhadoras ou noutras situações vulneráveis, mantendo a igualdade, efetiva, na saúde, durante a gestação”, refere Henrique Barros, responsável pela Unidade de Investigação em Epidemiologia Perinatal e Pediátrica do ISPUP, e um dos autores do estudo.

Para além de Henrique Barros, o artigo “Impact of the global financial crisis on low birth weight in Portugal: a time-trend analysis” é assinado por Musa Kana (Unidade de Investigação em Epidemiologia (EPIUnit) do ISPUP e da Faculdade de Medicina da Kaduna State University), Sofia Correia, (EPIUnit do ISPUP), Bárbara Peleteiro, (EPIUnit do ISPUP) e Milton Severo (EPIUnit do ISPUP e Faculdade de Medicina da U.Porto) e pode ser consultado através do seguinte link.

Orfeão Universitário do Porto comemora “Regresso às Origens”

Sáb, 25/03/2017 - 00:27

Os Pauliteiros de Miranda do OUP não vão faltar ao espetáculo. (Fotos: Joana Costa Machado / JUP)

Auditório Magno do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) recebe este domingo, 26 de março, a partir das 16h00, o 74.º Sarau Anual do Orfeão Universitário do Porto (OUP).

Tendo como mote o “Regresso às origens”, o Sarau deste ano apresenta como temas inspiradores a vida, o trabalho e a família. Temas que serão explorados ” num percurso pela história dos nossos antepassados” liderado pelos vários grupos artísticos do OUP.

O espetáculo ficará ainda marcado pela homenagem dos estudantes à Associação dos Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto (AAOUP), a Madrinha do Sarau, que comemora este ano 50 ano de existência.

Os bilhetes para o Sarau podem ser adquiridos na sede do OUP (Rua dos Bragas) e/ou através do e-mail orfeao@orfeao.up.pt. O preço varia entre os 3 euros (estudantes) e os 5 euros (público em geral).

Sobre o OUP

O Orfeão Académico do Porto foi fundado em 6 de março de 1912, cerca um ano após a formação da Universidade do Porto. Obra de “um grupo de estudantes entusiastas, conscientes da necessidade de completar a acção formativa”, o Orpheon, como se denominava originalmente, foi o primeiro organismo de cariz extracurricular a reunir estudantes de todas as faculdades da U.Porto.

Intimamente ligados à vida da Universidade, os orfeonistas da U.Porto assinaram – muito por acção da Tuna e da Orquestra Universitária de Tangos, criada em 1937 – alguns dos maiores êxitos da música académica, tais como “Amores de Estudante”, “Ondas do Douro” ou “Madalena”. Na atualidade, o OUP é constituído por cerca de 200 estudantes, distribuídos por vários grupos artísticos. Entre eles estão os grupos de Coro Clássico, Cantares Tradicionais, Danças e Cantares, Música Popular do Mundo, Pauliteiros de Miranda, Orquestra Ligeira, Fados ou Jograis, a que se juntam a Tuna Feminina do OUP e a Tuna Universitária do Porto.

ISPUP vai avaliar a saúde perinatal em migrantes

Sex, 24/03/2017 - 16:00

O Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) vai dar início ao projeto “baMBINO”, uma investigação que visa avaliar o acesso das mulheres migrantes aos serviços de saúde perinatais em Portugal, o seu nível de satisfação para com os cuidados recebidos durante o parto e após o parto e as diferenças existentes no atendimento prestado a esta população e às mulheres portuguesas nativas.  Em suma, irá medir a possível dimensão da desigualdade e das iniquidades em saúde que as migrantes enfrentam.

Sabe-se que a população migrante se confronta com novos ambientes culturais e legais, barreiras linguísticas e restrições no acesso aos serviços de saúde, quando entra no país de destino. Tendo em conta que o período reprodutivo e perinatal influencia e molda o futuro da mãe e da criança, é fundamental intervir precisamente nesta altura. É importante evidenciar, sobretudo, a forma como a política de saúde legalmente acolhedora dos direitos dos migrantes em Portugal é vivida pelos interessados.

O projeto vai contar com a colaboração de profissionais de saúde de 38 centros hospitalares com maternidade, todos os que se localizam em Portugal Continental, para recrutar mulheres migrantes e uma amostra de portuguesas nativas para participar na investigação. O método de obtenção de dados consistirá na aplicação de inquéritos tanto a migrantes como a mães nativas, ao longo de um ano após o parto.

O estudo irá averiguar se os centros hospitalares estão preparados para receber mulheres migrantes, provenientes de contextos culturais diferentes, e avaliar se as expectativas criadas por estas mulheres quanto à prestação de cuidados pré-natais durante e após o parto foram, ou não, alcançadas. Os resultados obtidos serão depois comparados com a situação reportada pelas mulheres nativas.

O projeto avaliará, sensivelmente, 3.500 mulheres migrantes e igual número de mulheres portuguesas nativas, durante o período de 10 meses (1 de abril de 2017 a 31 de janeiro de 2018).

“Os resultados alcançados servirão de base para apoiar decisões informadas no âmbito da implementação de programas de saúde perinatal e integração das migrantes no Serviço Nacional de Saúde. Pretende-se também fornecer evidência para melhorar a eficácia dos programas de acompanhamento desta população vulnerável, a curto e a longo prazo”, refere Henrique Barros, coordenador do Projeto e da Unidade de Investigação em Epidemiologia Perinatal e Pediátrica do ISPUP.

Esta investigação inédita permitirá comparar as práticas portuguesas com as de outros países desenvolvidos, como o Canadá, Austrália, Reino Unido e Noruega, onde se aplicam questionários semelhantes.

Apresentado esta sexta-feira, no Auditório do Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, o projeto “baMBINO – Saúde Perinatal em Migrantes: Barreiras, Incentivos e Resultados” fé financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (Referência PTDC/DTPSAP/6384/2014).

CINTESIS em iniciativa europeia contra a rinite alérgica em adultos e idosos

Sex, 24/03/2017 - 15:00

O CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde está a participar, enquanto membro do Centro de Excelência em Envelhecimento Ativo e Saudável do Porto (Porto4Ageing), numa iniciativa europeia designada Twinning MACVIA-ARIA, que visa melhorar a compreensão, o diagnóstico e a abordagem terapêutica da rinite alérgica junto da população adulta e idosa.

A iniciativa visa a transferência de práticas inovadoras e a utilização em larga escala de soluções digitais na área da saúde, designadamente a implementação da aplicação Allergy Diary, desenvolvida pela MACVIA LR, por dezenas de outros “Reference Sitesdo EIP on AHA – The European Innovation Partnership on Active and Healthy Ageing.

A app Allergy Diary é uma aplicação móvel para doentes com rinite alérgica desenvolvida por uma equipa de especialistas europeus e disponível gratuitamente para download, quer para Android, quer para iOS, em 20 países e em 15 línguas, tendo sido já testada por mais de 5.000 utilizadores de diversas idades. Esta aplicação permite manter registos dos sintomas de rinite e de asma, bem como do uso de medicamentos, e possibilitará também a integração de um sistema de suporte à decisão clínica.

De acordo com João Fonseca, investigador do CINTESIS e professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), Portugal é um dos países a registar um maior número de utilizadores da app Allergy Diary. O médico imunoalergologista espera que o nosso país “continue a dar o exemplo na adoção de tecnologias inovadoras dirigidas a pessoas com doenças crónicas” e que o número de utilizadores nacionais da app Allergy Diary “continue a aumentar”.

No âmbito deste Twinning, a app Allergy Diary irá integrar a versão eletrónica do CARAT, um questionário desenvolvido no âmbito do CINTESIS, a segunda maior Unidade de Investigação sediada na U.Porto. Já traduzido em 25 línguas e adaptado em 9 países, o CARAT permite quantificar o grau de controlo da asma e da rinite através da resposta a 10 questões sobre sintomas das vias respiratórias, sono, limitações à atividade diária e necessidade de aumentar a medicação.

A longo prazo, este Twinning pretende providenciar novas abordagens individualizadas e preditivas aos adultos e idosos com rinite, ao mesmo tempo que permite a interação entre “Reference Sites” de diferentes regiões da Europa, aumenta a transferência de know-how e incrementa o networking na área das doenças respiratórias.

Em Portugal, o Twinning MACVIA-ARIA está a ser desenvolvido numa parceira nacional que envolve os “Reference Sites” Ageing@Coimbra e Porto4Ageing, sendo os coordenadores científicos para a área da rinite alérgica Ana Todo-Bom e João Fonseca, professores da Universidade de Coimbra e da U.Porto, respetivamente.

A rinite é uma das doenças mais comuns na Europa, estimando-se que afete mais de 20% da população adulta e idosa em 2020. As alterações decorrentes da idade e a polimedicação são fatores que podem condicionar um adequado controlo da rinite nestas populações. Sendo uma doença ainda subdiagnosticada e subtratada, a rinite pode interferir, de forma significativa, com a atividade física, com a produtividade no trabalho e com a qualidade de vida.

“Mar de Inovação” da U.Porto em exposição no Porto Innovation Hub

Sex, 24/03/2017 - 14:30

Exposição ilustra a inovação científica na área do mar desenvolvida no Porto através de tecnologias multimédia, módulos físicos e áreas imersivas. (Foto: Filipa Brito/CMP)

“O Porto na vanguarda da exploração no Oceano” é o mote para a exposição bilingue recentemente inaugurada no Porto Innovation Hub (PIH) e que ficará patente para o público, de forma gratuita, até 15 de maio.

Organizada pelo Centro de Competências OCEANUS da Universidade do Porto, o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da U. Porto (CIIMAR) e pela Câmara Municipal do Porto (CMP), esta exposição demonstra, desde o legado de Augusto Nobre, pioneiro do estudo da Biologia Marinha em Portugal, até às tecnologias mais inovadoras, todo o potencial do Porto enquanto motor de inovação no estudo, exploração e investigação das diferentes potencialidades do Oceano.

Inauguração contou com as presenças do Presidente da CMP, Rui Moreira, do Reitor da U.Porto, Sebastião Feyo de Salgado e do Presidente da direção do OCEANUS e do CIIMAR, Vitor Vasconcelos.

Veículos autónomos não tripulados para estudo das profundezas do Oceano, novos fármacos retirados de animais marinhos, um sistema de aquacultura inovador mais rentável e amigo do ambiente, são alguns dos exemplos da inovação científica na área do mar desenvolvida no Porto e ilustrada nesta exposição gratuita através de diferentes tecnologias multimédia, módulos físicos e áreas imersivas.

A exposição foi inaugurada esta quinta-feira, pelo Presidente da CMP, Rui Moreira, pelo Reitor da Universidade do Porto Sebastião Feyo de Salgado e pelo Presidente da direção do OCEANUS e do CIIMAR, Vitor Vasconcelos e contou também com a participação e apoio de múltiplos parceiros de referência nesta área, como o LSTS, INESC-TEC, CITCEM, UPTEC, INEGI, APDL, Águas do Porto e MHNC-UP.

Patente nas modernas instalações do PIH (acima dos Correios da Av. dos Aliados), “O Porto na vanguarda da exploração no Oceano” será também acompanhada por um extenso programa de atividades paralelas igualmente gratuitas.

Startup do UPTEC leva agricultura urbana até ao Palácio de Belém

Sex, 24/03/2017 - 09:52

A Noocity já está presente em países como a França, Dinamarca e Brasil.

A Noocitystartup sediada no UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, instalou uma horta biológica com plantas e ervas aromáticas no Palácio de Belém. Marcelo Rebelo de Sousa já experimentou o sistema inovador criado pela empresa portuguesa, que permite aos cidadãos cultivar alimentos biológicos em meio urbano, com consumos de água reduzidos e de acordo com as necessidades da espécie plantada.

A tecnologia da Noocity consiste numa cama de cultivo equipada com um sistema de subirrigação integrado que fornece água às plantas pela zona das raízes. A solução criada pela empresa diminui a evaporação, a frequência de rega, reduz em cerca de 80% o uso de água e termina com o problema de saber quanto e quando regar uma planta.

“O Presidente da República não ficou indiferente quando apresentamos a Noocity e sugerimos instalar uma growbed no Palácio de Belém. Mudar comportamentos urbanos, bem como os hábitos de consumo, alimentares e ambientais são valores com os quais Marcelo Rebelo de Sousa se identifica.”, afirma José Ruivo, CEO da startup.

Fundada em 2013 e com sede instalada no Polo de Indústrias Criativas do UPTEC (UPTEC PINC), a Noocity já está presente em países como a França, Dinamarca e Brasil e vai ainda apresentar um novo produto no dia 4 de abril.

Família “U.Porto Spin-off” tem oito novos membros

Sex, 24/03/2017 - 08:54

A Douro Skin Care recebeu o selo “Spin-off U.Porto” no início deste ano. (Foto. DVINE)

Entre o final de 2016 e o início de 2017 foram oito as empresas a juntar-se à família Spin-off U.Porto, passando a usufruir agora de todas as vantagens associadas à chancela. As jovens empresas atuam nas mais diversas áreas, mas têm um objetivo comum: continuar a crescer com a marca U.Porto.

VirtualCare e FASTinov: dois nomes que, à primeira vista, nada têm a ver um com o outro, não fosse o facto de serem ambas recém formadas spin-offs U.Porto e a viver lado a lado no Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde da U.Porto (CINTESIS). A VirtualCare aposta na criação de soluções inovadoras para prestação de cuidados de saúde, como por exemplo o VC AnesthCare, pare registo clínico de anestesia, ou o VC BreastCare, para a patologia mamária. Já a FASTinov (na fotografia, à esquerda) está a desenvolver uma tecnologia, já patenteada, que permite realizar testes antimicrobianos muito mais rapidamente do que os métodos atuais e, mesmo assim, de forma segura. Ambas as empresas receberam a chancela no início deste ano.

Ainda na área da saúde, a Immunethep, empresa de base biotecnológica que nasceu o ICBAS, também já é spin-off U.Porto. Estão, neste momento, a desenvolver uma vacina baseada na descoberta de um mecanismo de vírus partilhados por um conjunto de bactérias patogénicas. O objetivo é criar uma vacina materna que consiga prevenir infeções em recém-nascidos. Para os representantes da empresa, “a parceria com a Universidade do Porto tem sido, desde sempre, essencial”. Quanto à Douro Skin Care, que também recebeu o selo no início deste ano, dedica-se à comercialização e fabricação de perfumes, cosméticos e produtos de higiene, mas também de produtos farmacêuticos.

Passando para duas áreas completamente diferentes, encontramos a Fibersail, cujo objetivo é facilitar e otimizar a criação de pás eólicas mais eficientes junto de desenhadores e construtores, ajudando a reduzir o custo das energias renováveis. A empresa pretende dedicar-se à produção e comercialização de um sistema disruptor de SGM (Structural Health Monitoring). E também a Venture Catalysts (na fotografia, à direita), empresa que se especializou na criação de startups de base tecnológica e científica, dedicando-se a à angariação de financiamento para suportar projetos. A Venture Catalysts vê a U.Porto como “um dos principais ecossistemas providenciadores de recursos humanos”.

Por fim, e ainda em 2016, juntaram-se ao grupo duas empresas: a Digital Flow e a EACT ERGO+ACTIVA. Esta última dedica-se à formação e serviços com base no ErgoCoaching (ergonomia do local de trabalho através do exercício físico de compensação e/ou da fisioterapia preventiva) e a sua metodologia é pioneira na transformação e consolidação de hábitos, posturas e gestos mais saudáveis e ergonómicos. Já a Digital Flow está, neste momento, especializada em criar ferramentas baseadas na gamificação, que permitem desenvolver abordagens de maior valor acrescentado aos processos de inovação e empreendedorismo. Um exemplo dessas ferramentas é o ideaChef®. Rui Patrício, CEO da empresa, espera que “a relação próxima com a U.Porto permita trazer conhecimento e credibilidade às abordagens inovadoras da Digital Flow a lançar no mercado nos próximos anos”.

São agora 17 as empresas chanceladas com a marca spin-off U.Porto. Este “selo” dá também às empresas a possibilidade de alcançar maior visibilidade internacional e vantagem competitiva, atraindo novos recursos, nomeadamente talento, capital e investidores. Toda a informação relativa às spin-offs da Universidade do Porto pode ser encontrada aqui.

106 anos da U.Porto: Reitor anuncia investimentos de 45 milhões de euros

Qui, 23/03/2017 - 18:42

O Reitor da Universidade do Porto aproveitou a sessão do Dia da Universidade para anunciar o lançamento de um plano de reabilitação do património edificado.

O anúncio de um investimento de 45 milhões de euros para a realização de um inédito programa de reabilitação do património edificado da Universidade marcou as intervenções da sessão solene comemorativa do Dia da Universidade 2017.

Foi durante o seu discurso que o Reitor da U.Porto anunciou o lançamento deste programa de reabilitação patrimonial que, na sua primeira fase, investimento terá como prioridades as faculdades de Economia e de Belas Artes, bem como o próprio edifício da Reitoria, mas a intervenção vai também incidir na recuperação das futuras instalações da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação e a reabilitação do Centro Desportivo e do Palacete Burmester.

Como explicou Sebastião Feyo de Azevedo no seu discurso, estas intervenções no património edificado deverão traduzir-se em “importantes melhorias funcionais, com consequências positivas na produtividade e qualidade da Universidade”. Um investimento de 45 milhões de euros que só é possível graças à “situação financeira consolidada positiva” da Universidade do Porto, pese embora os “cortes sucessivos no Orçamento de Estado que se verificam desde 2010”.

De facto, apesar do “óbvio subfinanciamento público” dos últimos anos – e que deverá manter-se também em 2017 –, o Reitor fez questão de frisar que, em 2016, a “Universidade do Porto cumpriu a sua missão institucional” e chegou mesmo a registar “progressos significativos em todas as áreas dessa missão”.

O Dia da Universidade serve também para distinguir os estudantes e docentes que mais se destacaram ao longo do ano.

Nesse sentido, Sebastião Feyo de Azevedo recordou que no último ano a U.Porto conquistou o Prémio Europeu “Excelência em Inovação e Internacionalização”, atribuído pela Associação Europeia para a Educação Internacional, tendo atingido o melhor desempenho de sempre da U.Porto no QS World University Rankings by Subject, que colocou a Universidade entre as 300 melhores do mundo em 24 áreas de ensino avaliadas.

Por outro lado, o Reitor da U.Porto lembrou também que 2016 foi também o ano que o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S) inaugurou o seu novo edifício, que o CIIMAR ganhou nova casa no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, ou que foi aberto à comunidade o renovado Pavilhão Prof. Dr. Galvão Telles, no complexo do Estádio Universitário.

Quanto ao futuro, Sebastião Feyo de Azevedo deixou uma mensagem de esperança: “a Universidade do Porto tem sido capaz de contribuir de forma marcante para o desenvolvimento nacional, e assim continuará, nas pontes que vai manter e fortalecer com as pessoas, com as instituições e com o Mundo”.

O Presidente do Conselho Geral, Alfredo José de Sousa, fez um balanço dos quase 4 anos de mandato daquele órgão de governo da Universidade.

Se a intervenção do Reitor encerrou a sessão, foi o discurso do presidente do Conselho Geral da U.Porto que assinalou o arranque da cerimónia. Tendo sido esta a última sesão do Dia da Universidade antes do próximo ato eleitoral para aquele órgão de governo da U.Porto, Alfredo José de Sousa aproveitou a oportunidade para “prestar contas deste exercício de quase quatro anos”.

O Juiz Conselheiro que preside ao Conselho Geral elencou as principais realizações deste órgão de governo durante o presente mandato, salientando a revisão dos Estatutos da Universidade, aprovada em maio de 2015, e a avaliação do regime fundacional – obrigatória por lei ao fim dos primeiros cinco anos de fundação.

Neste capítulo, Alfredo José de Sousa fez questão de relembrar os esforços realizados juntos do anterior e atual governo para a necessária tomada de “providência para retoma integral do regime fundacional”, nomeadamente no que diz respeito ao cumprimento do contrato-programa de financiamento completar acordado entre governo e universidades do regime fundacional.

Artur Santos Silva foi o orador convidado desta sessão, proferindo uma palestra sobre “O papel do Conhecimento na Economia da Inovação”.

No entanto,  a intervenção de fundo da sessão coube ao orador convidado da sessão, Artur Santos Silva. O presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian e Doutor Honoris Causa da Universidade do Porto dedicou a sua oração ao tema “O papel do Conhecimento na Economia da Inovação”.

E nesta área, Artur Santos Silva enalteceu o “papel fundamental” desempenhado pela Universidade do Porto na formação de talento, na criação de conhecimento e sua posterior transferência para a sociedade.

De facto, o antigo presidente da COTEC Portugal deu a Universidade do Porto como um dos exemplos de maior sucesso na promoção da inovação em Portugal. Artur Santos Silva destacou particularmente a “estrutura de excelência que é o UPTEC”, responsável pela criação de centenas de projetos empresariais e quase dois milhares de postos de trabalho qualificados.

A sessão do Dia da Universidade 2017 contou ainda com as intervenções do presidente do Conselho de Curadores, Miguel Cadilhe, do representante dos estudantes, Rodrigo Medeiros, e da representante dos trabalhadores, Joana Cunha. Mas, para além dos discursos, a sessão ficou ainda marcada pelo distinção dos estudantes e docentes que mais se destacaram no ano de 2016, através da entrega dos Prémios Incentivo, dos prémios de Cidadania Ativa e de Excelência Pedagógica e com a distinção dos novos Professores Eméritos da U.Porto.

Tarik Barri dá palestra na Universidade do Porto

Qui, 23/03/2017 - 17:00

O holandês Tarik Barri, artista sonoro, programador e compositor audiovisual que já colaborou com nomes como Thom Yorke (Radiohead e Atoms for Peace), Monolake, Nicolas Jaar e Paul Jebanasam (Continuum), vai estar no próximo dia 27 de março, no MIL – U.Porto Media Innovation Labs (Praça Coronel Pacheco, 15) para dar uma palestra intitulada “Desenho e Desenvolvimento de Sistemas Audiovisuais”.

Nesta palestra aberta ao público em geral, Barri irá apresentar o seu trabalho de composição audiovisual  e responder a perguntas relacionadas com as suas criações. Vai também apresentar o Versum, um software para composição audiovisual num espaço tridimensional que vem desenvolvendo desde 2008 e que permite navegar pelas três dimensões com um joystick.

Formado em Música e Tecnologia na Escola de Artes de Utrecht, Tarik Barri desenvolveu uma relação simbiótica com computadores desde os sete anos, especialmente no que diz respeito à programação. Aos 16 anos de idade fazia música com o computador e, na casa dos 20, criou as primeiras versões do Versum, a aplicação que permitiu desenvolver as suas criações audiovisuais e que continua a ser a base atual do seu trabalho.

Para além de ter colaborado com vários artistas de renome (ver vídeo abaixo), Barri já apresentou o seu trabalho em contextos tão diversos como o Detroit Electornic Music Festival (DEMF,) Sonic Arts, Ars Electronica, Club Transmediale, TodaysArt, MIT Media Lab, EMPAC, entre outros. Foi também palestrante convidado na Berklee College of Music (EUA), CCRMA (São Francisco, EUA), Universität der Künste (Berlim, Alemanha) e na Utrecht School of Music and Technology (Holanda). Em 2012, foi distinguido com o Prix Ars Electronica Award of Distinction pelo projeto Tweetscapes, que desenvolveu juntamente com o também holandês Anselm Nehls.

A palestra tem início às 10h00. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição em https://mil.up.pt/palestra/.

Sobre o MIL

O U.Porto Media Innovation Labs (MIL) é o Centro de Competências da Universidade do Porto para a área dos media, que tem como missão desenvolver a capacidade de atuação da Universidade no domínio dos media, nas vertentes de ensino, investigação e inovação, promovendo a colaboração interdisciplinar entre as estruturas existentes na Universidade e a articulação com parceiros externos.

Investigação i3S: Células invasoras, uma questão de vizinhança

Qui, 23/03/2017 - 12:00

Lígia Tavares é a primeira autora do artigo publicado na prestigiada revista PLOSGenetics. (Foto: i3S)

Um artigo publicado por um grupo de investigadores do i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto na prestigiada revista PLOSGenetics mostra pela primeira vez que suprimir a expressão do gene Myc – relacionado com o desenvolvimento dos organismos, com o envelhecimento e até mesmo com inúmeros tipos de cancro – em determinadas células afeta o comportamento das células adjacentes.

Apesar de se tratar de um gene muito estudado, nunca até hoje havia sido demonstrado como o Myc, quando alterado num conjunto de células, pode condicionar o desenvolvimento de outras células, de origem independente, através da comunicação entre células, sem que elas próprias tenham a função alterada.

Para chegarem a esta descoberta inédita, os investigadores utilizaram a mosca-da-fruta neste estudo, durante a fase de desenvolvimento do olho, para testar como é que o Myc afetaria o desenvolvimento deste órgão intimamente ligado ao sistema nervoso. Para isso, suprimiram a expressão do Myc nas células que dão origem aos fotoreceptores, um tipo de célula nervosa especializada na perceção da luz. O efeito que mais se destacava não era nessas células, que apesar de tudo ficavam menores, mas noutras células nervosas contíguas a estas, as células da glia, as quais proliferavam e invadiam o território das primeiras. Este comportamento de multiplicação e invasão pode ser comparado com os processos de regeneração, no caso de lesão, ou a invasão de tecidos de células cancerígenas.

Para compreender o potencial da descoberta é preciso reconhecer a importância dos nichos e da comunicação entre as suas células. Muitos estudos têm-se centrado nas células com expressão genética alterada mas, de há uns anos para cá, cada vez mais atenção tem sido dada à formas como as diferentes células se controlam umas às outras dentro de um tecido ou estrutura. «Quando pensamos num organismo, as células têm uma vizinhança que as condicionam; por isso devemos estudar as células sempre dentro desse contexto, os nichos», afirma Lígia Tavares, primeira autora do artigo. Por exemplo, explica-nos, «durante o desenvolvimento as células comunicam muito entre si para que haja coordenação na diferenciação, ou seja, cada uma ocupe a sua função e lugar».

Um outro exemplo é «em casos de injúria, quando algumas células são danificadas, o nicho celular funciona como um todo para corrigir o problema da melhor forma, não necessariamente da forma prevista originalmente», diz a investigadora. Este processo de controlo pela vizinhança é o que fica demonstrado neste trabalho. De facto, ao suprimirem a expressão de Myc num grupo de células, outras células vizinhas passam a proliferar e a crescer muito mais alastrando-se para o território que as primeiras ocupam. Não é claro se, neste caso, as células da glia invadem a zona dos fotoreceptores porque estão agressivamente descontroladas ou se é simplesmente um mecanismo para corrigir um potencial problema que esteja a ocorrer na zona; seja como for, o mecanismo depende da informação que as células da glia recebem das outras cujo Myc está suprimido.

Quando pensamos em sistema nervoso, pensamos logo em neurónios. Mas as células da glia também compõem este sistema complexo, juntamente com o neurónios. Segundo a Lígia Tavares, «sem células da glia, os neurónios não sobreviveriam durante um longo período de tempo, pois são as células da glia que fazem o suporte do sistema nervoso e alimentam os neurónios». Em números, sabe-se que nos humanos o ratio de neurónios e células da glia é de 1 para 1. Noutros primatas, parece haver mais neurónios que células da glia. «Comummente não se atribui a estas células muito valor. Poucos ouviram falar delas, a não ser quando se fala de glioblastomas. O nome deste tipo de cancro vem do radical glia», argumenta a investigadora, «e há trabalhos que provam que as células da glia são capazes de reverter o seu estado em situações de injúria, diferenciando-se depois em neurónios». Por isso, olhar para estas células e perceber como elas reagem a determinados sinais é extremamente importante para saber como intervir no sistema nervoso, seja qual for a situação fisiológica.

Melhor tese de doutoramento do ano em Engenharia Mecânica é da FEUP

Qui, 23/03/2017 - 10:00

A APMTAC recebeu um total de oito teses para análise (foto: Pixabay / Creative Commons)

Albertino Arteiro, bolseiro de pós-doutoramento e docente convidado no Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e colaborador do INEGI, foi distinguido pela Associação Portuguesa de Mecânica Teórica, Aplicada e Computacional (APMTAC) com o Prémio ‘Melhor Tese de Doutoramento 2016’, que pretende distinguir jovens investigadores nas áreas da Mecânica Aplicada e Computacional.

Com o objetivo de realçar distintas contribuições de investigadores no início das suas carreiras científicas, o prémio da APMTAC recebeu este ano um total de oito teses na área da Mecânica Aplicada e Computacional. Além destes trabalhos, são avaliados também os curriculum vitae dos candidatos.

Intitulada “Structural Mechanics of Thin-Ply Laminated Composites” (Mecânica Estrutural de Compósitos Laminados Ultrafinos), a tese do investigador da FEUP apresenta um estudo de caracterização e análise mecânica e estrutural de compósitos laminados avançados de matriz polimérica compostos por camadas ultrafinas. Para isso, foi realizada uma extensa campanha experimental em diferentes reforços com espessuras distintas. Foram também realizadas análises de micromecânica computacional para estudar, ao nível da microestrutura, a resposta das camadas em laminados multidirecionais e foi proposto um novo conjunto de critérios de rotura para prever a rotura das camadas no interior de laminados com camadas empilhadas em diferentes direções. Posteriormente, foi implementado um “modelo de fissuração distribuída” para simular a rotura e a propagação de dano em materiais compósitos laminados, e, finalmente, foram apresentados métodos de análise macromecânicos baseados em soluções analíticas formuladas ao nível do laminado homogeneizado, como forma de melhorar a capacidade de previsão da resistência e modo de rotura de estruturas compósitas.

Albertino Arteiro é antigo estudante do Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica da FEUP e do Programa Doutoral em Engenharia Mecânica, tendo realizado a tese em colaboração direta com a Airbus e com o apoio de uma Bolsa individual de Doutoramento financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). A tese pode ser acedida através do Repositório Aberto da U.Porto aqui.

O prémio será entregue em julho de 2017, numa cerimónia pública, durante o “Congreso de Métodos Numéricos en Ingeniería”, em Valência, Espanha, evento que conta com a coorganização da APMTAC.

CIIMAR e Instituto Hidrográfico cooperam na área do Mar

Qui, 23/03/2017 - 09:36

O protocolo é válido pelo prazo de dois anos e resulta de várias colaborações em projetos científicos. (Foto: DR)

O Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da U.niversidade do Porto e o Instituto Hidrográfico (IH) assinaram um protocolo de cooperação com o objetivo de promover o desenvolvimento conjunto de atividades relacionadas com o meio marinho.

Assinado no âmbito do Workshop “Viver o Douro com mais segurança”, que teve lugar na renovada Estação Salva-vidas do Douro no passado dia 20 de março, o protocolo estabelece as linhas gerais de intercâmbio e cooperação técnica e científica entre o IH e o CIIMAR. Entre elas inclui-se a colaboração em programas e projetos de ID&I; a formação avançada, o intercâmbio de pessoal/investigadores e a difusão do conhecimento científico para o público.

O Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes e a Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, marcaram presença neste evento, tendo Azeredo Lopes referido que este protocolo é de extrema relevância e “serve a comunidade científica e o país”.

A colaboração entre o CIIMAR e o IH já decorre há alguns uns anos através de projetos comuns como o RAIA – Observatório Oceânico da margem Ibérica (POCTEP) ou o Corrente Costeira Noroeste Ibérica. O protocolo agora formalizado “permitirá um amplo acesso ao oceano e a amostras biológicas de alto mar”, refere Vitor Vasconcelos, presidente da direção do CIIMAR e professor catedrático da FCUP.

O protocolo é válido pelo prazo de dois anos a contar da data da sua assinatura, renovando-se automaticamente por iguais e sucessivos períodos.

Rivoli teve casa cheia para cantar os Parabéns à U.Porto

Qua, 22/03/2017 - 13:06

Foi ao som da Orquestra Clássica da Faculdade de Engenharia (FEUP) e perante um Grande Auditório do Teatro Rivoli totalmente esgotado que arrancaram na noite desta terça-feira, 21 de março, as comemorações dos 106 anos da Universidade do Porto.

Naquele que já é um momento incontornável da festa de aniversário da Universidade, o Concerto Anual de Tributo à cidade e à Região juntou personalidades da academia, mas também figuras das principais instituições da cidade e da região para um momento de celebração conjunta. Uma audiência de cerca de 300 pessoas que, após  intervenção de boas-vindas do Reitor da U.Porto, se rendeu às quase duas horas de espetáculo (ver fotogaleria)protagonizadas pela Orquestra Clássica da FEUP, composta por estudantes, docentes, técnicos das diferentes faculdades da Universidade.

A Orquestra Clássica da FEUP é composta por estudantes, docentes, técnicos das várias faculdades da U.Porto. (Foto: Egidio Santos/U.Porto)

Sob direção artística do maestro José Eduardo Gomes, a Orquestra arrancou o alinhamento com a “Abertura Coriolano” Op. 62”, de L.v. Beethoven, passando depois por “Suite L’Arlésienne Nº 2”, de Bizet, “Finlandia”, Op. 26, de Sibelius, e “Valsa das Flores”, de I. Tchaikovsky. Para o final ficou reservada a interpretação de “Libertango”, de A. Piazzolla, com a presença em palco de dois bailarinos.

A Orquestra Clássica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto(FEUP) é um projeto do Comissariado Cultural da FEUP destinado à participação de membros da comunidade FEUP e de outras Faculdades da Universidade do Porto (estudantes, docentes, técnicos).

Desde a sua primeira apresentação pública, em dezembro de 2013, a Orquestra tem vindo a apresentar-se em diversos eventos académicos, tendo estabelecido desde 2016 um protocolo de colaboração com a Reitoria da Universidade do Porto.

Reitoria de portas abertas no Dia Nacional dos Centros Históricos

Qua, 22/03/2017 - 10:15

A Universidade Porto vai participar nas comemorações do Dia Nacional dos Centros Históricos, que se assinala no próximo sábado, dia 25 de março, promovendo uma visita guiada a alguns espaços do edifício da Reitoria.

A visita centrar-se-á no papel da Universidade nas comemorações dos 180 anos da instituição da Academia Politécnica (antecessora da Universidade do Porto) e dos 100 Anos do nascimento de Júlio Resende (antigo estudante e professor da Escola Superior de Belas-Artes do Porto, antecessora da atual Faculdade de Belas Artes da U.Porto). A orientação caberá a Susana Barros, da Unidade de Gestão de Documentação e Informação da UP Digital.

A visita tem início marcado para as 10h30 e tem como ponto de encontro o edifício da Reitoria da U.Porto, na Praça Gomes Teixeira.

A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia através do email cultura@reit.up.pt.

Mais informações através do telefone 22 040 81 93.

Parlamento Britânico distingue alumnus da FEUP com medalha de ouro

Qua, 22/03/2017 - 09:53

Miguel Xavier (no meio) recebeu o prémio  no passado dia 13 de março, no Parlamento Britânico. (Foto: DR)

Miguel Xavier, mestre em Bioengenharia pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), foi distinguido pelo Parlamento Britânico uma medalha de ouro no âmbito da competição “STEM for Britain”, que visa premiar jovens investigadores pela excelência do trabalho de investigação que desenvolvem nas áreas de Engenharia, Matemática, Ciências Biomédicas, Química e Física.

“Desenvolver um chip de microfluídica para o isolamento de células estaminais da medula óssea, de forma a promover a regeneração de cartilagem e osso”. É este o grande objetivo do projeto premiado, o qual faz parte do trabalho realizado no âmbito do doutoramento de Miguel Xavier.

A edição deste ano da “STEM for Britain” contou com cerca de 500 trabalhos a concurso. Para participarem, os candidatos tiveram que submeter um abstract para ser avaliado por um painel de peritos. No final, 210 candidatos (60 dos quais na área da Engenharia) foram selecionados para apresentar o seu trabalho aos membros do Parlamento Inglês, sob a forma de um poster, num evento realizado no passado dia 13 de março.

A  entrega dos prémio decorreu no passado dia 13 de março, em Westminster, na sede do Parlamento Inglês (House of Commons). Para além da medalgha de ouro, Miguel Xavier recebeu ainda um valor monetário de 3000 libras (cerca de 3500 euros).

Com apenas 27 anos, o antigo estudante da FEUP graduou-se em Bioengenharia, Ramo de Engenharia Biomédica, e é atualmente investigador no grupo de investigação em nanoeletrónica e nanotecnologia e estudante de doutoramento na Universidade de Southampton, no Reino Unido.

Páginas

Logo FEUP
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto
Serviço de Documentação e Informação - Biblioteca
Rua Dr. Roberto Frias
4200-465 PORTO
Tel: +351 22 508 1442
biblioteca@fe.up.pt